sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Não temos a cultura de HOSTEL, infelizmente


A ideia de Hostel surgiu em 1909 na Alemanha, pelo professor Richard Schirmann. Que dedicava seu tempo para criar um revolucionário programa de convivência entre diferentes alunos. A ideia ganhou êxito quando o prof. Schirmann vislumbrou a possibilidade de acomodar esses alunos, que não fosse apenas numa tradicional pernoite em hospedarias, mas sim num HOSTEL.
Foi dessa forma que nasceu o primeiro HOSTEL, em Altena, Alemanha, no ano de 1912 (que funciona até hoje).
Esse tipo de acomodação se difere de uma hospedaria pelos seguintes motivos:
• São mais baratos ;
• Direcionados para pessoas que buscam aventuras, amizades e principalmente cultura;
• Estão dentro dos padrões internacionais de meio-ambiente;
• São limpos e organizados;
• Possuem áreas de convivência muito agradáveis (salas e cozinhas);
• Possuem decoração impessoal, atendendo dessa forma qualquer pessoa;
• Não possuem televisor nos quartos;
• Todos têm internet livre (ilimitada).
A ideia chegou no Brasil, na década de 60, década da geração "pé na estrada", do movimento hippie, dos movimentos estudantis no mundo, mas o conceito no Brasil é interpretado errado, haja vista principalmente na tradução do nome Hostel, que no Brasil ficou como albergue. Que se checarmos no dicionário significa: Albergue, s.m. Hospedaria; casa de pouso; hospedagem; lugar em que se recolhe alguém por caridade.
Segundo o Hostelling International a missão é: “Fomentar a educação de todos os jovens de todas as nações, especialmente os de recursos limitados, estimulando neles um maior conhecimento, afeto e cuidado com a natureza, assim como um conhecimento dos valores culturais das cidades, tanto grandes como pequenas, de todas as partes do mundo, e, como meio para alcançá-lo, oferecer albergues ou outra classe de alojamento nos quais não existam distinções de raça, nacionalidade, cor, religião, sexo, classe social nem opiniões políticas, para que possam chegar assim a compreender melhor os seus semelhantes, tanto em seu próprio país, como no estrangeiro.”
Concluindo, no Brasil não temos a cultura de Hostel, entretanto isso terá que ser alterado rapidamente, pois em 2016 com as Olimpíadas, desembarcará no país milhares de pessoas que buscaram esses atrativos meios de se alojar e se divertir.
Espero profundamente que estejamos preparados para verdadeiros Hostel e não albergues sem nenhuma organização e cultura!

Por: Evelin Pontes

13 comentários:

Marcelo disse...

Ótimo texto, só acrescentaria que esta é uma ótima opção para estudantes que viajam pelo mundo, e não tem muito dinheiro disponivel para utilizar na viagem, ´são lugares limpos, com pessoas de muitos paises, no qual o nivel de aprendizado e o contato com novas culturas é fantastico.

Daniel Silva disse...

Bom, fiquei confuso se concordo ou discordo pelo menos parcialmente com o texto.
Nunca fiquei em hostels no exterior, mas já fiquei em 3 aqui pelo Brasil. Em Floripa, Sampa e Recife.
Acho que os hostels de cidades grandes como Rio e SP ficam mais com um carater de hospedagem do que de hostel. aí concordo. Mas nos 3 que estive vivi uma espriência única de cultura e integração.

É notório que as pessoas não se hospedam nestes lugares apenas por abrigo. O atrativo principal eh a multidisciplinaridade e a interação entre povos. Enfim, podemos estar distantes do projeto original, mas acho que ainda temos boas coisas a aproveitar em hostels no Brasil.

http://apenas-daniel.blogspot.com/

Daniel Silva disse...

Ah, parabens pelo blog... adoro esse assunto, uma pena minha economia particular ser um caos... kkkk

Leandro Kerr disse...

É bom encontrar um blog com esse assunto. Parabéns

Pedro disse...

Acompanho, sempre o blog de forma ausente, sem me apresentar, foi muito legal, ver que o casal esta postando os textos de forma conjunta, é uma iniciativa diferente.
Parabens..

Blogueira disse...

interessante!parabéns pelo blog!

Rafa disse...

Interessante, um tema diferente, bem abordado... Apesar da boa explanação, ainda não dsai com uma opinião formada... ótimo post

http://cemiteriodaspalavrasperdidas.blogspot.com/2009/10/dama-da-solidao.html

Dolfe disse...

bom texto, infelizmente no Brasil as coisas são assim mesmo, sempre tem um sentido errado do verdadeiro sentido, ou sempre acabam em pizza... ah...não pense q não li o texto, li sim, porém não tenho uma opinião formada sobre esse assunto...

por fim, não acho que o país esteja pronta pra sediar uma olimpiada...tem coisas mais importantes a se fazer antes de um feito desses, mas espero que o país sai bem na fita ^^

http://capinaremos.com/wp-content/uploads/2008/11/mfcimento.jpg

Manoel Leonam disse...

Muito bom, pra quem viaja sem grana é melhor do que acampar, porque além do mais não é todo lugar que tem condições de ter camping. Você podia ter colocado alguma dica de link no brasil, algo do gênero. Tá bom o artigo.

AtReViDo disse...

Belissimo texto. Infelizmente estamos é no Brasil. Sucesso.

Lombardi* disse...

gostei do blog o assunto me desperta certo interesse!

CCMaia disse...

Este é o tipo de assunto q me interessa. Sou uma sonhadora e sempre penso no futuro dessa forma: integração de culturas, etnias, religiões diferentes. Coloquei meus filhos em um colégio que recebia alunos do mundo inteiro, Índia, chilenos, russos, suecos... Meu filho mais velho faz faculdade em Vancouver e além de manter as amizades antigas, ainda fez novas, com outros povos, como árabes e judeus mas o q ele + gosta é de ver essas pessoas convivendo na maior camaradagem apesar de seus países serem inimigos históricos. Certamente o professor alemão sabia q essa iniciativa tinha grande possibilidade de sucesso com os jovens.
Sobre os albergues, até onde sei Salvador é a capital no Brasil q mantém algo + próximo do hostel. Baratos, limpos e onde se vê jovens do mundo inteiro (no Pelourinho).

Anônimo disse...

Bom texto,bom comentario e boa dica.Adorei conhecer.

Postar um comentário